O que os líderes têm em comum?

12/04/2010 at 8:11 pm Deixe um comentário

A oportunidade de oferecer cargos de liderança tem sido um dos motivadores para que os jovens permaneçam por mais tempo na companhia e repensem na possibilidade de construir carreira em uma empresa.

A busca para atingir um patamar de liderança nas organizações tem despertado um constante aprimoramento profissional e a capacidade de mobilizar e convergir todos em prol de um único objetivo. Alcançar essa posição demanda anos de experiência e conhecimentos, mas, com certeza, tem feito com que muitos profissionais, em especial a geração Y, tenham uma visão mais prolongada de carreira. Ou seja, a oportunidade de oferecer cargos de liderança tem sido um dos motivadores para que os jovens permaneçam por mais tempo na companhia e repensem na possibilidade de construir carreira em uma empresa. Fato este não muito comum hoje em dia, já que a geração Y é tão inquietante, almeja novos desafios diários, melhores salários e chega a acreditar que permanecer por muito tempo na mesma organização pode torná-lo um profissional estagnado frente ao mercado.

Mas afinal, o que é preciso para liderar e a que os executivos devem voltar sua atenção para ser como os grandes líderes? Antes de tudo é preciso que os executivos não se iludam muito, mas lembrem-se sempre de manter a perseverança como diretriz de seu caminho. Mesmo porque não se pode contar com a vitória todos os dias, a derrota também é um aprendizado, principalmente no começo. E, acima de tudo, deixe a ousadia falar mais alto e andar de mãos dadas com a humildade. Ousadia para deixar fluir ideias originais e projetos inovadores que causem impacto e sejam um portfólio de suas peculiaridades enquanto profissional e pessoa. Humildade para ter uma equipe capaz de brigar e defender seus ideais justamente porque acredita no papel do líder que o conduz e reconhece a capacidade, conhecimento e valor moral do mesmo. Para isso, mostre aos liderados que as dificuldades devem ser enfrentadas como oportunidades. E tenha o humanismo acima de tudo.

Bem, antes de apresentar mais características que os líderes têm em comum preciso revelar os dois grandes mestres empresariais que me deixaram o legado citado acima. São eles Samuel Klein, das Casas Bahia, e Affonso Brandao Hennel, Semp Toshiba. Estes são dois nomes que construíram um império no país com base em tais princípios. Durante horas de conversas com ambos, eu enquanto biógrafo desses grandes líderes, percebi de maneira muito clara que não se deve ter o dinheiro como objetivo do negócio ou do crescimento da empresa, mas sim, como resultado. Outra ação contínua que faz com que os líderes ganhem a confiança dos liderados é o constante feedback. Para isso, tenha também um feeling apurado e aposte nas suas convicções.

Samuel Klein, por exemplo, em pleno final dos anos 60 e início da década de 1970 comprou uma financeira. Claro que falar isso hoje é algo muito normal, mas há quase trinta anos, foi um dos grandes impulsionadores do crescimento das Casas Bahia. Em momento de crise, como na década de 1980, Samuel, antevendo a reviravolta do mercado, se estocou. Para que isso fosse possível teve que ser ousado e arriscar, fazer diferente dos demais, inclusive da concorrência. Adquiriu, então, mercadorias com grandes descontos. Quando o mercado aqueceu, ele era o mais preparado em estoque para suportar a demanda.

Outro grande exemplo é o que fez, na mesma época, Affonso Brandão Hennel, fundador da Semp Toshiba. Na década de 1960 ele previu que as indústrias nacionais de eletroeletrônicos que não tivessem tecnologia de ponta teriam que encerrar as atividades em curto ou médio prazo. E isso realmente aconteceu com as companhias nacionais. Enquanto muitas fechavam as portas a Semp conseguiu seguir no mercado. Anos mais tarde anunciavam a liderança no mercado após a formação de uma joint venture com a Toshiba. Affonso reduziu, então, de 15% para 5% a participação de mercado da Semp Toshiba na década de 1980, pois havia grande envolvimento com empréstimos em bancos. E a partir de uma ação ousada mostrou confiança e aposta na sua experiência fazendo com que acreditassem na sua decisão. A atitude administrativa, além de acertar a empresa, fez com que recuperassem a participação de mercado e a ampliasse ainda mais em pouquíssimo tempo.

Acima de tudo, esses dois exemplos de ousadia e liderança nos mostram a necessidade de acreditarmos em nosso país e profissionais, bem como na Zona Franca de Manaus. Sim, este último deve ser uma aposta e diferencial de nosso mercado futuramente, mesmo tendo que se efetuar um grande investimento e uma significativa transformação em logística. Portanto, o segredo é ousar para conduzir grandes projetos mobilizando toda uma equipe e ter humildade para recuar quando necessário a fim de se obter o sucesso e progresso contínuo dos negócios. Com isso, todos crescem juntos. Se os liderados crescem, o líder e a empresa também crescerão.

Por Elias Awad – jornalista, biógrafo e palestrante corporativo

Entry filed under: Logística. Tags: .

Otimização de Recursos, a mais importante e complexa atividade Logística O Marketing e a Logística Reversa

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


CONTATOS

TELEFONES:
11 2446-2565

EMAILS
jove@jovelogistica.com.br

Siga a Jove no Twitter

Mês

Visitantes

  • 194,210

Páginas


%d blogueiros gostam disto: