Posts tagged ‘TI’

Otimização de Recursos, a mais importante e complexa atividade Logística

Depois da definição conceitual, vem o surgimento das ferramentas e tecnologias voltado para logística e com elas a preocupação com a utilização, ”quando usar, onde usar, como usar e o pior, quem usar”.

Alguns empresários acreditam que após estabelecer e implantar os conceitos de Logística em suas organizações estará tudo resolvido, o conceito e as tecnologias por si só não resolverá nada! De nada adianta as melhores ferramentas tecnológicas do mundo se não tivermos profissionais capacitados com habilidade para tocar a logística, com foco em resultados, resultado esse que não vem com o corte desenfreado dos custos.

São duas fases totalmente distinta e independente: Cortar custo e Reduzir custo, esta segunda é conseqüência da Otimização dos recursos, e é considerada a mais importante e complexa atividade na logística. Algumas organizações fazem cortes de seus custos e consequentemente perdem as oportunidades de analise detalhada da operação, a fim de transforma a ociosidade em resultado, redimensionando os recursos, buscando a otimização de forma que traga rentabilidade para organização.

Cortar custos é menos complexo que reduzir custo e, na maioria das vezes não requer conhecimento técnico, ao contrário do corte, a redução depende muito de onde se quer chegar e visa um resultado que só é possível com a Otimização dos Recursos, por isso são necessários habilidades e conhecimentos técnicos.

Não podemos confundir redução de custo com redução de despesa ou cortar custos, as duas vem da reestruturação da organização, e visa ajuste ou redução do negócio e não a Otimização dos Recursos. Fazer mais e melhor com a mesma estrutura; Aproveitar ao máximo a capacidade de alguém ou de alguma coisa; Utilizar ao máximo determinado recurso seja ele humano, físico, ou financeiro; Tornar ótimo, esse é o conceito de Otimização de Recursos.

A percepção é primordial na otimização e, essa vem com a experiência do profissional, que com base em outras referencias, percebe a necessidade da mudança, logo após surge à necessidade da identificação da oportunidade de melhoria, neste ponto é comum as empresa procurarem por consultorias especializadas na área. Habitualmente encontramos pessoas buscando a redução custo sem se quer saber por onde começar, não sabe se precisa reestrutura para cortar custo e reduzir despesas ou reduzir custo, otimizando os recursos e consequentemente melhorando resultado.

Quando falamos que “a Logística é ainda a principal iniciativa de redução de custo de uma organização”, é que esse é o objetivo fim, conseqüência de uma Otimização bem calculada e bem implantada. Para isso é necessário que façamos um analise: dos recursos disponíveis, custos, benchmarking do mercado de preferência local, respeitando as particularidades, a final não se trata de nenhuma receita de bolo! Daí a necessidade de definir os parâmetros e indicadores a serem alcançados.

Alguns especialistas afirmam que “analisar e reduzir custo é mais um processo que uma formula”. Antes de cortar custo ou despesas avaliem a possibilidade de transformar a ociosidade em lucro para a sua organização e, acima de tudo, questione e estabeleça benchmarking, procurando sempre reavaliar os seus custos operacionais, possivelmente haverá umas gordurinhas sobrando.

Assim surge á oportunidade para o profissional de logística se destacar e fazer a diferença.

Por Josival Novaes dos Santos, administrador de empresas, formado pela Faculdade de Ciências Aplicada e Social de Petrolina, cursando pós-graduação em “Gestão Logística”.
Anúncios

06/04/2010 at 2:52 pm Deixe um comentário

Logística na Gestão de Suprimentos

Para que a logística possa oferecer resultados positivos à empresa é preciso observar a cadeia produtiva inserida na organização. Para tanto, deve-se avaliar a cadeia de suprimentos e o gerenciamento desse ciclo de suprimento.   

 A cadeia de suprimento é o grupo de fornecedores que suprem as necessidades de uma empresa na criação e desenvolvimento dos seus produtos. As empresas que utilizam a mesma cadeia de suprimentos devem se comunicar e cooperar entre si eliminando todo desperdício, com o objetivo de satisfazer o cliente final ao menor custo possível.

 As informações ocorrem nos dois sentidos, existindo um fluxo de informações, recursos, reclamações e de produtos, entre outros, no sentido cliente para fornecedor e vice-versa, na busca pela melhoria contínua. 

Por sua vez, o gerenciamento da cadeia de suprimento ou supply chain Management (SCM) é a gestão da cadeia de suprimento com o objetivo de torná-la cada vez mais eficaz. Esta gestão visa identificar os pontos fortes e fracos de toda a cadeia a fim de tomar decisões com o objetivo de mudanças, combatendo o desperdício e aumentando a competitividade da empresa (Shapiro, 2001, p.4).

A gestão da cadeia de suprimento adota várias práticas logísticas visando eliminar desperdício e reduzir custos, tais como: 

Cooperação: incentivar o trabalho conjunto entre clientes e fornecedores com objetivo de eliminar toda e qualquer operação que não agregue valor (desperdício).

Tecnologia da Informação: a informática oferece ferramentas utilizadas na gestão da logística, tais como ERP, WMS, EDI, código de barras, kanban eletrônico, RFID, etc. A exatidão e correção da informação são fundamentais para tomada de decisões, além de viabilizar ou facilitar a execução de outras práticas aqui listadas. Não é mais possível ser eficiente sem o auxílio dessas ferramentas e de um sistema ERP confiável e preciso como o Omega,  que ofereça  amplo suporte para as operações. 

Modais no transporte: é boa prática a utilização de qualquer modo de  transporte combinado durante o percurso, se houver redução de custo ou prazo é necessário manter a qualidade requerida. 

Logística Reversa: devido à preocupação com o impacto no meio ambiente, a legislação está levando as empresas a serem responsáveis pelos produtos e embalagens após a entrega aos clientes. Os produtos que se tornam obsoletos, danificados ou quebrados devem retornar ao ponto de origem onde serão reparados ou sucateados e as embalagens reaproveitadas. As vantagens estão na percepção dos clientes sobre a preocupação ambiental do fornecedor e na redução de custos na compra de embalagens e matérias primas. 

Terceirização: considera a opção de contratar parceiros para executar atividades específicas as quais podem ser mais bem executadas e a menor custo do que sua empresa é capaz.   

Globalização: considera que não existem pré-condições geográficas definidas; fornecedores e clientes podem estar em qualquer parte do planeta, se houver vantagens competitivas.

Aspectos Fiscais e Tributários: procurar e negociar com os governos, ocupar regiões geográficas onde vantagens fiscais e tributárias são oferecidas. 

Redução dos Riscos: avaliar os processos e planejar para reduzir as chances de algo dar errado através da análise e correção, a logística tem que estar preparada para “a lei de Murphy”.

À medida que estas e outras práticas logísticas são implantadas, consegue-se uma gestão mais eficaz possibilitando a empresa obter resultados mais perceptíveis em termos de organização, fluxo estável, redução de custos, maximização de resultados, satisfação dos clientes e permanência no mercado.

A gestão da cadeia de suprimentos é um dos mais importantes passos a serem dados pelas empresas que necessitam melhorar seus processos, principalmente, quando envolve fornecedores e empresas terceirizadas em seus processos de manufatura e/ou distribuição. A importância da logística nos processos atuais é justificada pelos custos agregados resultantes.

A qualidade dos produtos e serviços é um fator determinantepara o sucesso de uma cadeia de suprimentos, pois a má qualidade ou falta dela pode gerar atrasos nas entregas com respectivos custos, multas, perdas financeiras e de imagem, bem como produtos danificados ou impróprios para o uso produzindo custos de retrabalho e de sucata. 

Muito se tem dito sobre esse assunto, porém, infelizmente, somente uma parte desse discurso é praticado no dia a dia das pessoas e empresas.

A observação sobre os impactos que causamos no planeta tem relação direta com a logística enxuta, porém poucos são os que param para reavaliar seus hábitos e práticas no âmbito individual e, consequentemente, no âmbito coletivo de suas ações.

            Uma sugestão que favorece o planeta e o bolso do empresário é começar a olhar a forma como se dão os processos logísticos da empresa, enxutos ou não!

Bibliografia

1-       José de Carvalho, Edições Silabo, Logística (2002), Estratégias Logísticas (2004).

2-       Donald Walters, Palgrave Macmillan Logistics (2003).

3-       Shapiro, Pacific Grove, Modeling the Supply Chain (2000).

4-       Ayers, St. Lucie Press, Introduction to the Supply Chain (2001).

 *Aldo Albieri é engenheiro eletrônico formado pele FEI e especialista em logística. Com mais de 20 anos de experiência na área industrial, atualmente é consultor de negócios da ABC71 Soluções em Informática.

01/04/2010 at 7:00 am 1 comentário

Novo artigo de Jorge Verissimo: The New Supply Chain’s Frontier: Information Management

International Journal Of Information ManagementO mais novo artigo de Jorge Veríssimo intitulado The New Supply Chain’s Frontier: Information Management foi publicado na edição de setembro/2009 por uma das editoras líderes mundial em artigos científicos. Por meio do Internacional Journal of Information Management, publicado na Europa, mas com audiência e colaboradores presentes também nos Estados Unidos e Ásia.

De acordo com o autor, que também é um dos fundadores da Jove Logística, o artigo tem o objetivo de compreender as principais questões enfrentadas pela Cadeia de Abastecimento (SC), as estratégias tradicionalmente usadas para soluções dos problemas presentes na SC e tendências deste campo. O artigo esclarece de que maneira a tecnologia da informação (TI) pode ser aplicada e ser realmente uma ferramenta importante para tornar a SC mais robusta e resiliente. Com estas características, a cadeia de suprimentos de sua empresa pode enfrentar este novo ambiente de riscos e incertezas, provenientes de eventos disruptivos tanto do lado da demanda como de fornecedores, de uma maneira muito mais eficaz e eficiente, esclarece o autor.

Esta é uma leitura obrigatória para os praticantes e estudiosos da Supply Chain Management.

Confira o resumo do artigo em http://dx.doi.org/10.1016/j.ijinfomgt.2009.02.001. Neste link você também poderá ter acesso ao artigo completo.

14/09/2009 at 7:50 am Deixe um comentário

Nova Metodologia para Aplicação de TI na Cadeia de Suprimentos

Jorge Veríssimo atuando na área de Supply Chain Management e um dos fundadores da JOVE, empresa de serviços de consultoria logística, teve um artigo publicado em uma importante revista científica Européia: Journal of Modelling in Management, com audiência global,  seja entre pesquisadores como também analistas de negócios e gerentes seniores.

O artigo (SD-DES model: a new approach for implementing an e-supply chain), disserta sobre um importante tema, mostrando uma nova metodologia para aplicação de TI na cadeia de suprimentos.

Esta mesma metodologia foi também apresentada em uma conferência em San Francisco, CA EUA.

O artigo encontra-se disponível em:

http://www.emeraldinsight.com/Insight/viewContentItem.do?contentType=Article&contentId=1796016.

Este é um compromisso da JOVE com nossos clientes e parceiros de negócios, de ter uma equipe altamente qualificada e trazendo as melhores e mais inovadoras soluções para sua empresa.

07/08/2009 at 4:30 pm 1 comentário


CONTATOS

TELEFONES:
11 2446-2565

EMAILS
jove@jovelogistica.com.br

Siga a Jove no Twitter

Mês

Visitantes

  • 214,005

Páginas